• CIDI

Decreto e Destino Divinos e Graça Divina

Atualizado: 3 de nov. de 2021

Colocado no site em 16.11.2006

Autor M.Fethullah Gülen



O Decreto Divino significa executar as decisões ou julgamentos do destino. Ele inclui simultaneamente as nossas ações e a criação de Allah a eles. Uma vez que Allah nos permite fazer o que desejamos fazendo-o existir. A palavra árabe traduzida aqui como Graça Divina é “ata” que significa “dar livre e liberalmente.”


Allah possui dois registros principais: A Suprema Tábua Preservada (Correspondendo ao Destino ou o Conhecimento Divino) e o Registro Esclarecedor (correspondendo à realidade do tempo). A Suprema Tábua Preservada nunca muda, uma vez que Allah também tem Vontade absolutamente irrestrita e é, portanto, não restrito pelo Destino que Ele estabeleceu para Suas criaturas. Porém, Ele pode mudar o que Ele registrou no Livro Esclarecedor: “Allah contesta ou confirma o que Lhe apraz, porque o Livro-matriz está em Seu poder.” (13:39).


Essa sutil matéria é difícil de entender. Apesar de não conseguirmos entender totalmente a realidade de sua extinção e confirmação, frequentemente testemunhamos isso em nossas vidas. Por exemplo, um dia deixamos a casa com a intenção de ir a um local onde os pecados são livremente cometidos. Porém, devido à Sua mercê e favor, Allah arranja para nós encontrarmos bons amigos que nos convencem irmos para um bom lugar. Da mesma forma, cometemos pecados muito livremente e, portanto, estamos sujeitos à má sorte. Mas, em vez de nos tratar com Sua justiça, Allah, devido à Sua graça, trata-nos com a máxima graça e nos perdoa, salvando-nos assim da má sorte.


A Graça Divina existe para não nos desesperarmos de sermos perdoados. Devemos nos dirigir a Ele a despeito dos nossos pecados, e assim não conseguimos ver a nós mesmos como cercados totalmente pelas consequências que o Destino e o Decreto Divinos estabelecem para os nossos atos. Isso está explicito nos seguintes versículos:


“E todo o infortúnio que vos aflige é por causa do que cometeram as vossas mãos, muito embora Ele perdoe muitas coisas.” (42:30).


“Se Allah castigasse os humanos por sua iniquidade, não deixaria criatura alguma sobre a terra; porém, tolera-os até ao término prefixado.” (16:61).


“Dize: Ó servos meus, que se excederam contra si próprios, não desespereis da misericórdia de Allah; certamente, Ele perdoa todos os pecados, porque Ele é o Indulgente, o Misericordiosíssimo.” (39:53).


A Graça Divina ou a liberalidade se manifesta mais claramente na história. Como somos responsáveis e temos de prestar contas pelos nossos atos, dirigimo-nos para a nossa própria história. As históricas filosofias como historicismo estão completamente erradas, porque não há nenhum determinismo na história dos eventos históricos.


Muitos povos históricos como os de ‘Ad, Samud e o do Faraó, mereceram perecer devido aos seus estilos dissolutos de vida, injustiça e atrocidades. Por isso, Allah os erradicou. Porém, o povo do profeta Jonas se voltou para Allah com completa sinceridade e profundo arrependimento, e reformaram a si mesmos moralmente depois de verem os sinais impedindo a destruição. Como resultado disso: “Allah liberou-os do castigo da desonra na vida terrena e os agraciou temporariamente.” (10:98). Acentuando esse ponto, o Mensageiro de Allah disse: “O temor não previne a má sorte, mas a oração e a caridade a previne.”(1)


Portanto, os crentes não devem nunca cessar de orar e praticar caridade. Quando se sentirem que a má sorte está chegando, devem imediatamente se voltar para Allah em oração e arrependimento, dando caridade, ou prestarem alguns serviços ao Islam.


[1] Muttaqi al-Hindi, Kanz al-'Ummal, Hadith No. 3123; Ibn 'Asakir, Tarikh al-Dimashq, 5:168.

6 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo