SURA 98

AL-BAYYINAT

(A EVIDÊNCIA CLARA)

Período de Medina

 

Revelada em Medina e composta de 8 versículos, a Sura leva o seu nome da palavra, al-bayyinat (A Evidência Clara) no primeiro versículo. Ela chama a atenção para o fato de que o Mensageiro de Deus (que Deus o abençoe e lhe dê paz) é a evidência clara da verdade da Mensagem que ele trouxe, e que os incrédulos entre ambos os politeístas e os Povos do Livro negou-o e ao Islam, mesmo quando tinham claramente testemunhado a verdade desta evidência. Então, as pessoas foram divididas em dois grupos principais: os que creem e fazem boas obras de justiça, e aqueles que rejeitam a crença.

 

Em Nome de Deus, o Clemente, o Misericordioso.

 

1. Aqueles que descreem persistentemente (no Alcorão e no Mensageiro de Deus) dentre os adeptos do Livro e os politeístas não abandonariam (a maneira que se esperava de seguirem e assim acreditar no Alcorão e no Mensageiro), até que lhes chegasse a Clara Evidência:

Os politeístas que rejeitaram o Mensageiro de Deus e a Mensagem que ele trouxe bem sabiam que ele era verdadeiro, e o que ele dizia era verdadeiro. Eles também diziam que, se um Mensageiro chegasse a eles, iriam acreditar nele de todo coração, e por isso eles deveriam acreditar nele e em sua Mensagem. Mas quando o Mensageiro chegou, apesar de ser uma clara evidência para eles e trouxe a Mensagem, os incrédulos voltaram atrás em suas palavras, e rejeitaram-no por motivos egoístas, como rivalidade tribal, obstinação, vaidade e medo de perder os seus interesses. Assim como eles, aqueles que rejeitaram o Islam e o Mensageiro de Deus entre os Povo do Livro também preferiram a incredulidade por razões de base, como ciúme, rivalidade, considerações racistas, e como, apesar de terem estado à espera de um Profeta cujos sinais encontrados em seus livros, e sabiam muito bem que Muhammad (que Deus o abençoe e lhe dê paz) era o Profeta esperado. O versículo também indica que a descrença no Islam e no Profeta Muhammad (que Deus o abençoe e lhe dê paz) significava para o Povo do Livro incredulidade em seus próprios livros.

 

2. Um Mensageiro de Deus, recitando e transmitindo (a eles ensinamentos absolutamente livres de qualquer falsidade) páginas purificadas (que apenas aqueles limpos das impurezas material e espiritual podem tocar),

 

O Mensageiro de Deus - O Profeta Muhammad (que Deus o abençoe e lhe dê paz) é uma das duas provas maiores e mais claras para a verdade do Islam, sendo o outro o Alcorão. Sua veracidade e confiabilidade absoluta, sua pura personalidade distinguida pela mais nobre e louvável das virtudes, sua conquista de mentes e corações apesar de ser analfabeto, sua formação de uma comunidade chamada al-Ashab (os companheiros), composta das pessoas mais virtuosas da história após os Profetas; sua fundação de um estado de tribos que haviam estado presos a brigas intermináveis, sua mudança ao caminho da história humana em um tempo tão curto quanto 23 anos; seus sermões, provérbios, orações, e os critérios que ele estabeleceu para a melhor vida individual e coletiva, o ser amado por seus companheiros e todas as sucessivas gerações de sua comunidade, na medida em que de bom grado se sacrificaram pela sua causa, o lançamento das bases da civilização mais magnífica na história, o que gerou numerosos estudiosos, cientistas, estadistas, santos, comandantes e literatos; suas previsões, nenhuma das quais tem sido contrariada ao longo do tempo - todos esses e muitos outros aspectos de sua vida, pessoa, realizações e missão decisivamente mostram que o Mensageiro de Deus é uma das duas provas maiores e mais abrangentes, tanto ele mesmo, sua Mensagem, e a Mensagem que ele trouxe da parte de Deus.

 

A pureza das páginas em que o Alcorão é escrito vem da pureza do Alcorão. Assim, o Alcorão só pode ser tocado por aqueles purificados de impurezas materiais e espirituais. Isto é, os incrédulos, politeístas, e crentes em necessidade de pureza ritual, não podem tocá-lo.

 

3. Em que houvesse sempre certos e verdadeiros escritos (sobre crença, pensamento, e ação).

 

4. Os adeptos do Livro não se dividiram senão quando lhes chegou a Clara Evidência (da verdade).

 

5. Mas não lhes foi ordenado outra coisa senão que devem adorar a Deus, sendo sinceros na fé em Deus e na prática a Religião puramente por satisfação de Deus, como pessoas de fé pura e estabelecessem a Oração de acordo com as suas condições, e pagassem a Esmola Purificadora Prescrita. E essa é a Religião certíssima, sempre verdadeira.

 

Isto resume a Religião de Deus, que Ele transmitiu através de todos os Seus Mensageiros. Esta Religião é o Islam.

 

6. Certamente, aqueles que descreem (após ter-lhes chegado a Clara Evidência) - dentre os adeptos do Livro, e dentre os politeístas - estarão no fogo do Inferno, (uma semente em que a descrença permanece), habitando nele. Eles são os piores de toda a criação.

 

Said Nursi observa: “A crença carrega a semente do que é, com efeito, a árvore Tuba do Paraíso, enquanto a descrença contém a semente da árvore de Zaqqum do Inferno.”

 

7. E aqueles que creem e praticam boas obras de justiça são os melhores de toda a criação.

 

8. Sua recompensa está junto com seu Senhor: Jardins de felicidade perpétua abaixo dos quais correm os rios, onde morarão eternamente. Deus estará bem satisfeito com eles, e eles estarão satisfeitos com Ele. Isso é para quem teme a seu Senhor.