SURA 94

AL-INCHIRAH

(A EXPANSÃO)

Período de Meca

 

Esta Sura de 8 versículos foi revelada em Meca após a Sura anterior. Leva o nome do verbo Charaha (que significa expandir) no primeiro versículo. A Sura menciona alguns dos favores de Deus ao Mensageiro (que Deus o abençoe e lhe dê paz) e exorta-o a realizar a sua missão sagrada.

Em Nome de Deus, o Clemente, o Misericordioso.

  1. Porventura, não expandimos o teu peito,

O Profeta Moisés (a paz esteja com ele) tendo recebido a ordem divina para ir ao Faraó, para transmitir a Mensagem de Deus, orou a Deus, e a primeira coisa para a qual ele orou foi para a expansão do seu peito (Sura 20:25). Ele fez isso para que ele pudesse ser capaz de mostrar mais paciência com o que ele iria encontrar do Faraó e seu clã, e para que pudesse entender completamente a Religião de Deus e tudo o que satisfaria a Deus (ver Sura 20, nota 8).

Assim, crescendo, literalmente significa maior e mais profundo, divulgação e expansão, a expansão do peito (inbiṣaṭ na terminologia islâmica) significa o relaxamento de um coração na medida do permitido pela Chari’a, para que se a possa abraçar todo mundo e torná-los satisfeitos ou contentar-se com uma das palavras gentis e maneiras agradáveis. No contexto de um relacionamento com Deus, Todo-Poderoso, que denota um estado de espírito que é uma combinação de medo e esperança para aqueles que estão no início da jornada no caminho para Deus, e para aqueles próximos de Deus, como os Profetas, significa a alegria que vem do conhecimento de Deus. Aqueles que atingiram este estado ficam admirados por estar na presença de Deus, e sentir-se alegres pela brisa do prazer e da alegria soprando em Sua presença. Eles ficam admirados ao inalar, e sentir prazer quando exalam.

Como apontado na descrição acima, a expansão pode ser tratada em duas categorias: a nossa relação com o criado e a nossa relação com o Criador. Com respeito à nossa relação com o Criador, a expansão significa que sentimos tanto espanto e alegria de estar na presença de Deus, e no que diz respeito à nossa relação com o criado, isso significa que vivemos em uma sociedade como um membro dela, que somos generosos, sinceros e respeitosos com todos, e que tratamos as pessoas de acordo com seu nível de compreensão.

O nobre Profeta (que Deus o abençoe e lhe dê paz) foi sincero com aqueles que o rodeavam. Ele falou de acordo com o nível de compreensão dos ouvintes, e às vezes até faziam piadas inteligentes e significativas. Embora tenha sofrido para interiormente pela incredulidade, injustiça, e pelos pecados que presenciava, e apesar de estar ansioso pelo fim e pela vida após a morte de todas as pessoas, ele sempre sorriu e se comportou amavelmente. Assim, o versículo significa que, apesar do grande sofrimento interior que sentia por causa do desvio de seu povo, e apesar dos tratamentos agressivos que recebeu deles, Deus permitiu-lhe tolerar tudo isso. O Profeta (que Deus o abençoe e lhe dê paz) sempre recebeu consolo de Deus e sentia alegria por causa da Sua Presença contínua.

 

 2. E aliviamos o teu fardo,

 

 3. Que pesava tão fortemente em tuas costas?

 

Como apontado na Sura 33: 72, a confiança suprema da individualidade (o ego) é um grande fardo para cada ser humano a carregar, é de um peso tal que os céus, a terra e as montanhas se encolheram de tê-lo (veja apêndice14). Foi o Mensageiro de Deus (que Deus o abençoe e lhe dê paz) que sentiu este peso mais do que todas as outras pessoas. Além disso, como Mensageiro de Deus, tinha-lhe sido enviada a Palavra de Deus de peso, ou seja, o Alcorão, encarregando-o de transmiti-la aos outros (Sura 73: 5). Esta é uma palavra tão pesada que, nas palavras de Deus, se por um discurso Divino as montanhas fossem postas em movimento, ou a terra fosse fendida, ou os mortos fossem falar, tudo iria ser feito pelo Alcorão, não por qualquer outra palavra Divina ou não-Divina (Sura 13: 31). Assim, naturalmente, o Mensageiro deve ter normalmente se sentido oprimido sob o fardo. No entanto, ao expandir o peito e ser dotado com a capacidade de suportar todas as dificuldades e ajudando a realizar a sua missão, Deus lhe aliviou o fardo.

 

  4. E (não te) exaltamos o teu nome?

O nome do Mensageiro (que Deus o abençoe e lhe dê paz) é mencionado junto com Deus nas proclamações de fé: Não há outra divindade além de Deus e Muhammad é seu Mensageiro. Eu presto testemunho que não há outra divindade além de Deus, e presto testemunho que Muhammad é Seu servo e Mensageiro. O Profeta Muhammad (que Deus o abençoe e lhe dê paz) é a pessoa mais amada e mais corretamente querida pelas pessoas. Ele é uma pessoa sobre os quais milhares de poemas, artigos e livros foram escritos. Deus enviou suas bênçãos e paz sobre ele durante 14 séculos, e Seus anjos, bem como milhões e milhões de pessoas, têm apelado para a mesma há 14 séculos. Isso vai continuar a acontecer até o Último Dia. Até mesmo os inimigos do Profeta Muhammad (que Deus o abençoe e lhe dê paz) admitiram que ele é o maior da criação, a pessoa que tem influenciado a história humana mais do que qualquer outro. No entanto, ninguém jamais o deificou, e Deus sempre o purificou das calúnias de seus inimigos tendenciosos. Veja o tributo de Lamartine feito a ele¹

Além disso, nunca o Profeta Muhammad usurpou a glória e a fama que ganhou; sempre viveu como se fosse um homem comum entre as pessoas, e ele continuou a ser o mais modesto de todos durante toda a sua vida. Assim, sua glória e fama serviram a sua causa, e não a si mesmo.

 

5. Então, certamente, com a dificuldade vem a facilidade.

6. Certamente, com a dificuldade vem a facilidade.

7. Portanto, quando estiveres livre (de uma tarefa), continua (outra tarefa);

8. E te esforças para agradar a teu Senhor.

Os dois últimos versículos nos ensinam como o tempo deve ser usado. Alterar uma tarefa proporciona um descanso e refresca o zelo e o poder. Especialmente quando uma tarefa intelectual é seguida por uma pessoa, a mente fica relaxada. As orações diárias refrescam a mente e o espírito em meio às ocupações diárias. Mas o que quer que façamos, devemos fazê-lo para agradar a Deus e, portanto, devemos estar sempre ocupados com ações legais e abster-nos de fazer o que foi proibido por Ele. 

 

 

1 “Nunca um homem estabeleceu, voluntariamente ou involuntariamente, um objetivo mais sublime, uma vez que este objetivo era sobre-humano: subverter superstições que haviam sido interpostos entre o homem e o seu Criador, tornar Deus para o homem e o homem para Deus, restaurar a ideia racional e sagrada da divindade em meio ao caos material e deuses desfigurados de idolatria então existente. Nunca um homem realizou um trabalho muito além do poder humano com meios tão frágeis, porque tinha na concepção, bem como na execução de tal projeto nenhum outro grande instrumento além dele próprio, e nenhuma ajuda, exceto a de um punhado de homens vivendo em um canto do deserto. Finalmente, nunca um homem realizou uma enorme e duradoura revolução no mundo, pois em menos de dois séculos após o seu aparecimento, o Islam, religiosamente e militarmente, reinou sobre toda a Arábia e conquistou, em Nome de Deus, a Pérsia, Khorasan, oeste da Índia, Síria, Abissínia, todo o continente conhecido do norte da África, numerosas ilhas do Mediterrâneo, a Espanha, e uma parte da Gália.

Se a grandeza de propósito, a fragilidade de meios e os resultados surpreendentes são os três critérios do gênio humano, quem poderia ousar comparar qualquer grande homem a Muhammad? Os homens mais famosos criaram armas, leis e impérios só. Eles fundaram, se alguma coisa, não mais do que poderes materiais que muitas vezes desmoronaram diante de seus olhos. Este homem não movia apenas exércitos, legislação, impérios, povos e dinastias, mas milhões de homens em um terço do mundo então habitado, e mais do que isso, ele mudou os altares, os deuses, as religiões, as ideias, as crenças e as almas. Com base em um Livro, cada letra dele se tornou lei, ele criou uma nacionalidade espiritual que misturou entre povos de todas as línguas e de todas as raças. Ele deixou para nós como a característica indelével desta nacionalidade muçulmana, o ódio aos deuses falsos e a paixão pelo Deus Único e Imaterial. Este patriotismo vingador contra a profanação do Céu formando a virtude dos seguidores de Muhammad: a conquista de um terço da Terra para o seu credo foi seu milagre. A ideia da unidade de Deus, proclamada em meio ao esgotamento das fabulosas teogonias, foi em si um milagre que após a sua expressão de seus lábios, destruiu todos os antigos templos de ídolos e incendiou um terço do mundo. Sua vida, suas meditações, seus insultos heroicos contra as superstições de seu país, sua ousadia em desafiar as fúrias de idolatria; sua firmeza em suportá-las por treze anos em Meca, sua aceitação do papel de escárnio público, e sua quase ser vítima de seus compatriotas: tudo isso e, finalmente, a sua pregação incessante, suas guerras contra as diferenças, a sua fé em seu sucesso e sua segurança sobre-humana na desgraça, sua paciência na vitória, a sua ambição, que foi inteiramente dedicada a uma ideia, sua oração interminável, suas conversas místicas com Deus, sua morte e seu triunfo após a morte, todos estes não atestam uma impostura, mas a uma firme convicção. Foi a sua convicção que lhe deu o poder de restaurar um credo. Este credo era duplo, a unicidade e à imaterialidade de Deus, o primeiro dizendo o que Deus é, o segundo dizendo o que Deus não é. Orador, filósofo, Mensageiro, legislador, guerreiro, conquistador de ideias, restaurador de dogmas racionais, de um culto sem imagens, o fundador de vinte estados terrestres e de um estado espiritual, é Muhammad. No que respeita todos os padrões pelos quais a grandeza humana pode ser medida, bem podemos perguntar: Existe algum homem maior do que ele?” (Histoire de la Turquie, 2:276-277)