• CIDI

O Decreto Divino e o Destino II

Colocado no site em 15.03.2006

Autor M.Fethullah Gülen


Em Relação ao Registro e Duplicação


Tudo que existe no Conhecimento Divino tem uma forma individualizada certa medida, ou, se podemos dizer assim, como um plano ou projeto, está num Registro.

Esse registro é chamado, de certa forma, a “Suprema Tábua Preservada.” (85:22), e, em outra, o “Livro esclarecedor.” (36:12). O Alcorão afirma: “Jamais nos ocorrerá o que Allah não nos tiver predestinado!” (9:51), e: “Não existem seres alguns que andem sobre a terra, nem aves que voem, que não constituam comunidades semelhantes à vossa. Nada omitimos no Livro; então, serão congregados ante seu Senhor.” (6:38).


Esse registro ou (Registro Original) é um título para o Conhecimento Divino em relação à criação. Durante o “processo” da criação, esse Registro é duplicado. Sua primeira e mais compreensiva duplicação – toda a criação – é a Tábua de Extinção e Confirmação (ou o Livro Esclarecedor). Enquanto a Suprema Tábua Preservada (ou o Registro Esclarecedor) contém os originais de tudo no Conhecimento Divino, bem como os princípios e leis da criação, a Tábua de Extinção e Confirmação é a realidade e, metaforicamente, uma página da sucessão do tempo. O Poder Divino transfere as coisas da Suprema Tábua Preservada para a Tábua de Extinção e Confirmação, arranja-os na página do tempo e, por seu turno, prende-os na linha do tempo. Nada muda na Suprema Tábua Preservada, uma vez que tudo lá é fixo. Mas, durante o processo da criação:

“Allah extingue ou confirma o que Lhe apraz, porque o Livro-matriz está em Seu poder.” (13:39).


Após o nascimento, cada um é registrado no Livro de Registro de Nascimentos. Então, baseados nessa informação, cada um recebe um documento de identidade. Similarmente, as completas características pessoais de cada um, as particularidades, e a história da vida futura são registradas na Suprema Tábua Preservada, que é então copiada pelos anjos. Eles registram todas as informações relacionadas ao corpo da gente e o codificam em células como informações ou leis. Para essa informação funcionar e se tornar vida, porém, o espírito deve estar respirando no corpo.

A outra parte dessa cópia é presa ao redor do pescoço como um livro invisível (17:13). Nós atuamos no que quer que seja de acordo com aquele livro enquanto vivemos. Isso não significa que o Destino ou a predeterminação nos compelem a agirmos de certa forma, pois o Destino não é mais do que uma espécie de conhecimento. Por exemplo, você envia alguém a algum lugar para fazer um trabalho. Tendo procurado os suprimentos necessários, você instrui o homem e o envia para o local. Uma vez que você sabe anteriormente como ele irá se comportar, você registra os detalhes da jornada num caderno de notas e o oculta num bolso secreto em seu casaco. Sem saber do caderno, a pessoa se comporta como ela deseja enquanto está viajando. Você, também, envia duas das mais confiáveis pessoas para segui- ló para observarem e gravarem secretamente o que ele diz e faz. Quando ele volta você compara os vídeos com o caderno de notas e vê que são exatamente iguais. Depois de tudo, você o entrevista para ver se ele seguiu suas instruções, e então ou a recompensa, pune ou o perdoa de acordo com o caso.


Como no exemplo acima, Allah, Quem está além do tempo e espaço e, portanto, um conhecimento compreensível, registra a história de nossa vida em um Registro original. Os anjos copiam essa informação e prendem um registro pessoal, que nós chamamos de destino ou sorte, ao redor do pescoço de cada pessoa. A aparente presciência de Allah e o registro de nossos atos e palavras não nos compele a fazê-los, pois o que dizemos ou fazemos é o resultado do uso do nosso livre arbítrio1 Nossa completa vida é registrada por dois anjos, chamados Kirámun Kátibun (os Nobres Registradores). No Dia do Juízo, nosso registro será apresentado para nós e ser nos- á dito para lê-lo:


“E a cada homem lhe penduramos ao pescoço o seu destino e, no Dia da Ressurreição, apresentar-lhe-emos um livro, que encontrará aberto. (E lhe diremos): Lê o teu livro! Hoje bastarás tu mesmo para julgar-te.” (17:13-14).




1) Tais previsões e pré-registros são aparentes, porque o passado e o futuro são relevantes apenas para a humanidade, Eles não se aplicam a Allah. Como Ele “vê” tudo simultaneamente, não há coisa como pré, quando se fala d’Ele.

0 visualização0 comentário

Posts recentes

Ver tudo